Lectio Divina (Eclo 34, 9-12): A experiência nos da discernimento


Hoje a lectio vem nos falar sobre a importância do aumento da experiência.

O autor sagrado começa dizendo que quem muito viajou conhece muitas coisas e quem tem muita experiência fala com discernimento. Como podemos ver, é uma sucessão lógica. Muito viajar leva a ter muita experiência que leva a ter muito discernimento. Acredito que não seja o ato em si de viajar que nos da muita experiência, mas o fato de lidarmos com as pessoas. Quem escuta os mais velhos, por exemplo, aprende muito para viver a vida e se ele põe em prática, a experiência é dobrada juntamente com o discernimento. De fato, nós aprendemos com o erro, mas muito também temos a aprender com o acerto. Não que vamos sempre acertar, mas precisamos ter essa ótica de que, independente de falharmos ou não, precisamos aprender algo com o que passamos.

A provação nos leva a ver a vida de uma maneira mais madura. Quantas pessoas não vivem como moleques e algo muito duro acontece na vida delas, que passam a ver a vida com outro ângulo? Passam a ver a vida com olhos de sábios e anciãos. Às vezes Deus permite uma provação em nossas vidas para salvar a nossa alma, que anda por caminhos tortuosos, malígnos, que só levam à morte. Não é vontade de Deus que soframos assim, passando por caminhos de morte. Por isso não podemos reclamar da provação, pois é a nossa cruz que precisamos carregar. Para uns, a minha cruz é leve, para outros, pesada. Mas cada qual recebeu a sua cruz segundo o Senhor.

No penúltimo versículo, o autor fala que viu muitas coisas em suas viagens e o seu conhecimento ultrapassa as palavras dele, ou seja, nem tudo ele consegue colocar em palavras. De fato, existem coisas tão sublimes que só é possível aprender vivenciando e vendo. Aquele soldado que perfurou o lado de Cristo teve a experiência de ser lavado pelo sangue e pela água que jorrou e, como diz a escritura: “O que foi testemunha desse fato o atesta e o seu testemunho é digno de fé” (c.f. João 19,33-35). Precisamos cada dia experimentar e viver coisas boas para que aumente em nós a experiência de amar.

Por fim, o autor sagrado diz que sua experiência o salvou muitas vezes em que esteve em perigo de morte. De fato, tudo o que o Senhor nos ensina ajuda a nós mesmos e ao nosso próximo. Não podemos de maneira alguma achar que fomos salvos pela nossa própria força. Só sabemos o que sabemos por permissão divina.

Peçamos a Deus a graça de vivermos e aprendermos bem todas as coisas, sendo guiados pelo Seu Espírito de amor. Que possamos colher, dia após dia, o fruto da sabedoria, que é a experiência do aprendizado. Louvado seja o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, para sempre seja louvado.
0