Lectio Divina (Eclo 26,19-27,3): Busquemos a pureza de coração


Hoje a palavra traz dois exemplos simples que tratam de um mesmo tema, mas que precisamos refletir em nossa vida.

Os dois exemplos tratam da corrupção. Algo propício para refletirmos nestes tempos que passamos aqui na Brasil. No primeiro exemplo, o autor sagrado nos trás mais uma listinha, dizendo que duas delas lhe causam tristeza e uma terceira, deixa raiva: o soldado reduzido à miséria, homens sábios tratados com desprezo e aquele que passa da justiça para o pecado.

O soldado é aquele que dá o sangue pela sua pátria, faz tudo por ela, defendendo-a. É uma ingratidão muito grande a de um país que não dá um mínimo de assistência a eles. E não digo só a eles, mas a todos as pessoas que trabalham em serviços que são essenciais, como a saúde, como a correspondência, a segurança etc.

Quem trata o homem sábio com desprezo é como se jogasse um tesouro fora, pois o mesmo pode dar palavras preciosas para ajudar a viver bem a vida, além de bons conselhos para uma tomada de decisão.

Mas o pior, para o autor, é quem passa da justiça para o pecado. Aí é que mora a corrupção, como o próprio nome já diz. O filósofo Jacques Rousseau nos diz na célebre frase: “O homem é bom por natureza, a sociedade é que o corrompe”. A pessoa sai de um estado de bondade e passa para o pecado quando abre os olhos para o ter e o poder. Se é a sociedade que o corrompe, quem foi o primeiro corrompido? Caímos aqui no dilema do ovo e da galinha: quem veio primeiro? A corrupção nasce sobretudo no coração das pessoas, como Jesus diz, o que pode sujar não é o que entra pela nossa boca, mas o que sai dela (c.f. Mateus 15, 17-19). Portanto, antes que na sociedade existisse um punhado de pessoas cheias de ganância e ódio, alguém foi infectado primeiro por esse verme que contamina nossa sociedade brasileira. Tudo o que podemos fazer é pedir a Deus que aja poderosamente, extirpando todo o verme da corrupção em nossas vidas.

O segundo exemplo trata também de corrupção, mas voltada para o comércio. De fato, algumas pequenas e/ou grandes empresas buscam enganar a população visando apenas o lucro imoral. Quando li a passagem, até pensei: “eita, naquela época já colocavam pedra no feijão”? A corrupção do coração é, de fato, um dos piores pecados, porque furta do pobre o pouco que tem e entrega aos poderosos. Uma grande empresa hoje está envolvida nesse esquema de corrupção, tanto que ela fiou várias candidaturas de inúmeros candidatos nas eleições passadas. O que nós população podemos fazer para agir de maneira pacífica? Tudo o que posso pensar é no boicote. Não devemos dar lucros a empresas que enganam, a empresas corruptas, que visam retornos e lucros indevidos, enquanto pisam na cabeça da população.

Peçamos a Deus a graça da pureza de coração, para que não sejamos corrompidos. De fato, só uma comunhão diária com Deus pode nos ajudar a não nos corromper nas garras do mal. Sejamos justos nas pequenas coisas. É promessa do Senhor de que se formos fiéis no pouco, Ele nos confiará muito mais (c.f. Mateus 25, 14-30). Louvado seja o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, para sempre seja louvado.
0