Lectio Diária: Eclo 13,15-14,2.


A Lectio de hoje vem trazer algo duro, mas ao mesmo tempo tão atual e tão real na sociedade. Também vem falar sobre uma das coisas necessárias à felicidade.

Diante das pessoas, existem aqueles que temos afinidade e aqueles que temos antipatia. Existem pessoas que creem no que cremos, mas existem outros que escarnecem a fé ou, pior, vivem como contra testemunhos dentro da fé, dizendo uma coisa e vivendo outra. A comparação que o escritor sagrado fez é muito pertinente: o lobo e o cordeiro não são semelhantes, mas opostos. Um devora o outro. Por diversas vezes, Jesus comparou nos evangelhos e cordeiro como sendo as pessoas justas, que buscam a vontade de Deus e cuidam do próximo; enquanto os lobos são os que roubam do pobre e vivem de injustiças.

Se até então tínhamos uma vida dúbia, é preciso tomar uma decisão. O Senhor não gosta da indecisão, como diz em Apocalipse 3, 16. É preciso escolher pelo Senhor, que fez o céu e a terra. Quem sustenta o mentiroso e hipócrita, toma parte com ele. Isso é o que vem nos dizer, em outras palavras, o escritor sagrado. Quem se associa aos outros por interesse, porque o outro tem algo a oferecer, tem dinheiro e status, toma parte com ele. E quem ignora o pobre ou escarnece dele, toma partido contrário aos mais desvalidos. Condena quem nada tem por errar em coisas pequenas, mas o rico que errou grande é perdoado. Não vemos isso em nossa política? Pessoas saindo ilesas de suas corrupções, de seus enormes erros? Mas o ladrão de galinhas é preso. O assaltante de celular é condenado à morte pela população. A justiça humana é falha nesse ponto porque toma partido das pessoas. Deveria ser uma justiça que tenha isonomia, que não olha o bolso e nem status de quem está sendo julgado. Como tem sido nossa justiça? Como Jesus diz, se nossa justiça não for maior que a dos fariseus e escribas naquela época, não entraremos no Reino dos Céus. Imagina hoje!

Por fim, a palavra termina com o real sentido da felicidade: é preciso ser justo diante das pessoas, não pecar por palavras e não ser atormentado pelo remorso do pecado. Uma pessoa assim é uma pessoa feliz. Feliz é quem tem uma consciência tranquila, quem diante de Deus não faz o mal ou se redime pelo mal que fez. Quem vive a alegria que vem do alto é considerado como um homem bom.

Que possamos pedir a Deus que sejamos homens e mulheres bons, alegres, que buscam ser justos diante das pessoas. Louvado seja o nome de Nosso Senhor Jesus Cristo, para sempre seja louvado.
0