Lectio Diária: Eclo 1, 9-18


Um dos dons do Espírito Santo é o temor a Deus. O autor sagrado nos mostra que temer a Deus é “glória, honra, alegria e coroa de júbilo”. Será que ter medo é algo tão bom assim? Isso me faz pensar que o temor a Deus está mais voltado para o respeito profundo a Deus e o seguimento de Suas leis. Se seguíssemos a Deus por medo, já não seria liberdade, mas sim escravidão.

Além disso, o temor a Deus ainda nos da vida longa, pois aquele que segue a palavra de Deus, que segue sua guia, certamente é protegido na vida e tudo o que faz, faz na graça de Deus, recebendo tudo de maneira abundante, como podemos ver em João 10, 10.

Podemos também ver uma promessa: se tememos ao Senhor, acabaremos bem. Ou seja, concluiremos tudo aquilo que sonhamos, viveremos tudo aquilo que fomos chamados a viver nesta terra e, no fim, ainda seremos abençoados em nossa morte.

Aqui no versículo 12 podemos ver uma ligação com o nosso estudo de ontem. O princípio da sabedoria, ou seja da inteligência prudente, é o temor a Deus. Quando vivemos esse profundo respeito e seguimento do Senhor, tudo o quanto fazemos colocamos Deus em primeiro lugar, e Ele fica no centro de nossas decisões. Feliz quem convida o Senhor para ser o centro de prudência em sua vida, pois aí estará a sabedoria perfeita. Embora humana, guiada pelo Divino.

O temor a Deus é tão perfeito que nasce com o homem e é levado para a descendência do mesmo. Ou seja, algo que existe desde a criação do homem. É verdade que podemos ler em Gênesis que mesmo o homem tendo pecado, ele teve o temor, quando escondeu-se de Deus, envergonhado pela sua nova condição. Esconderam-se Adão e Eva por respeito a Ele.

Temer a Deus não é só o princípio da sabedoria, mas a plenitude da mesma, que gera frutos que nos embriagam. Quem já sentiu algo extasiante diante de uma tomada de decisão acertada? É assim que ficamos quando deixamos Deus agir no centro de nossas decisões.

O Temor a Deus nos traz abundância para nossas casas e sobras para serem armazenadas nos celeiros. O autor sagrado quer enfatizar o quão importante é viver esse respeito profundo a Deus, que nos leva a fazer o bem, e no bem, além de nos sentirmos bem, temos tudo o quando o Senhor nos providênciar e mais, para ser partilhado.

Ser o rei da sabedoria em sua própria vida é temer a Deus e a palavra nos promete paz e saúde caso busquemos viver esse temor. Temor este que nos leva a sempre buscar a vontade de Deus, que nunca nos pede algo que está além de nós, além do que podemos fazer.

O que significa enumerar a sabedoria? Pode significar o número de pessoas que utilizam a sabedoria, ou pode ser uma escala de pouca sábio a muito sábio. A questão é que o Senhor fez chover sobre a terra a ciência e a inteligência. Podemos ver isso nitidamente nas tecnologias que hoje existem, podemos ver o emprego destes dons de Deus. Não são os homens que exaltam os sábios, mas é o próprio Deus que exalta um homem sábio, uma mulher sábia.

Por fim, o autor compara tudo isto com uma planta, uma árvore. Onde a raiz é o temor a Deus. A partir do temor, nasce o tronco, que é a sabedoria. E os ramos, folhas, flores e frutos são vida longa. Se queremos ser sábios, comecemos com o temor a Deus, colocando-o em primeiro lugar. Lembrando nas tentações ou ocasiões de pecado que o Senhor está vendo tudo, desde nossas fraquezas, até nossas quedas. Desde nossas boas escolhas, até as más.
0