Vivendo a vocação: Tipos

Creio que, analisando todo o aspecto social do mundo, percebemos dois tipos de vocações básicas: a afetiva e a efetiva. Ambas estão ligadas e o ser humano necessita viver as duas em paralelo, uma completando a outra. Vejamos:

Vocação afetiva está intimamente ligada com os sacramentos da ordem e do matrimônio.
Toda profissão tem a base na produtividade, assim, a doação é a base da vocação afetiva, o que diz ser nossa vocação é o como se dará essa doação.

Por exemplo: Quando estamos em um trabalho, se nesse trabalho a minha doação não me traz realização, no sentido de, colocando o cansaço e a satisfação numa balança, vermos que a alegria do trabalho pesa mais, então estamos vivendo a nossa vocação. Contudo, se pesa menos do que o cansaço, então devemos rever nossa vida e, dependendo da situação, largar tudo e ter coragem de começar de novo, só que agora dentro daquilo que me satisfaça (satisfazer aqui é no sentido de alegria plena, não aquela alegria fútil que o mundo oferece).

Claro que, se uma pessoa depende desse trabalho para a sua sobrevivência, não acho recomendável que a pessoa desista logo, ela primeiro deve procurar com cuidado discernir o que é melhor pra ela, e, depois de achar uma oportunidade, ai sim "meter as caras", como diz um ditado popular, e sair do velho emprego para o novo (minha mãe costuma dizer que essas coisas agente faz por debaixo dos panos, eu sei mais ou menos o que isso significa e acredito que ela tenha razão).

Quando descobrimos onde devemos nos doar neste mundo, ai vem a vocação efetiva: é exatamente a realização do projeto depois de sonhado.

Para completar, coloco outra parte do texto que pude receber no encontro vocacional que houve na comunidade Cristo Ressucitado:
Deus não age de forma diferente. Só que, ao chamar, Deus antes de pedir Ele dá. Deus chamando o homem lhe dá a vida, a existência, e com a vida, dá-lhe também a liberdade. Depois de ter chamado o homem para a vida, Deus torna a chamá-lo, porque há muitas coisas que Deus deseja fazer no mundo através do homem. Deus não quer mais agir sozinho. Por isso, quando Deus chama, Ele chama para pedir alguma coisa, confiar alguma missão. O chamado de Deus é sempre um desafio:

1. Ao sermos chamado à vida, nos comprometemos a cumprir uma determinada missão que esteja de acordo com o bem estar comum.

2. Ao sermos chamados à fé, pelo batismo, nos comprometemos a seguir os ensinamentos de Jesus Cristo e a colaborar com os homens na busca da verdade e do bem viver como irmãos.

3. Ao sermos chamados a qualquer estado de vida (sacerdotal, religiosa, matrimonial), assumimos um compromisso específico com a comunidade humana de ajuda-la a encontrar a felicidade.
Um abraço galera, tamu junto e até a próxima postagem "Vivendo a vocação".
1