Como as crianças

Certo dia, tive a oportunidade de observar uma vez a ação de duas crianças em um casamento. Elas brincavam uma com a outra e, quando se esbarravam em alguém ou caiam no chão, elas não ficavam quietas, levantavam-se e continuavam a brincadeira.

Uma delas chegou a bater a cabeça em uma cadeira, mas isso não impediu que ela continuasse centrada no divertimento. Por isso devemos ser como elas, devemos estar centrados no céu, não importando as circunstâncias.

Santa Mônica, mãe de santo Agostinho, o santo celebrado hoje, foi um exemplo de perseverança. Passou 33 anos rezando pela conversão do seu filho e ela conseguiu muito mais do que só a conversão, ela alcançou a graça da santidade dele (se bem que a santidade é a graça da conversão diária). É pela constância de bons propósitos que chegaremos lá.

Com a graça de Deus, que sejamos como as crianças: mesmo que batamos nossa cabeça nas dificuldades, nas dores, nas faltas de esperanças da vida, que continuemos sorridentes a correr atrás do céu.

Um abraço galera, até a próxima!
1