Lectio Diária: Eclo 14,3-19.

Nesta lectio, podemos ler sobre a lei da reflexão. Jesus nos diz que os maiores mandamentos é amar a Deus sobre todas as coisas e ao próximo como a si mesmo. Mas se não me amo, como poderia amar meu próximo?

A palavra começa falando sobre os mesquinhos e os invejosos. O mesquinho é aquele que tem apego aos bens e à riqueza. Por isso a riqueza não é para ele, pois se uma pessoa avarenta ganha uma riqueza, ela não saberá usá-la sabiamente, o que poderá causar ruínas e pecados que levam a pessoa para longe de Deus. Já o invejoso que possui muitos bens, nunca estará saciado e sempre quererá mais, deixando de viver a vida.

Depois, podemos ler sobre ser bom para nós mesmos. Afinal, se somos maus a nós mesmos, como poderíamos ser bons para os outros? O escritor sagrado nos revela que os que praticam a maldade contra si, fazem o bem aos outros apenas por distração, para chamarem a atenção. Mas no fim a verdade aparecerá e poderemos ver a maldade de quem se maltrata. O avarento é um dos que se maltratam, pois ele priva de aproveitar a vida, e mesmo de ajudar os necessitados com o que possui, para ter o status de rico. Mas, no fim das contas, o mesquinho é um infeliz.

É preciso nos tratar bem e dar ao Senhor o que é do Senhor. Como diz Jesus no evangelho: “Dai, pois, a César o que é de César e a Deus o que é de Deus.” (c.f. Mt 22, 21). Não sabemos o dia do nosso fim, por isso devemos viver a vida da melhor forma possível, tratando bem o amigo e partilhando dos bens com o mesmo.

Uma passagem que me chamou a atenção foi a de não nos privar de um desejo legítimo. Em outra tradução da bíblia, não deixar escapar nada do dom precioso que Deus nos deu. Será que temos aproveitado as oportunidades que Deus coloca em nossas vidas? Ou temos deixado a vida passar como nada? É preciso viver e viver bem. O Senhor mesmo prometeu uma vida abundante (c.f. João 10, 10). Se não a temos, é por causa de nós mesmos que nos privamos dessa vida, que não ousamos e não lutamos. mas se lutarmos, confiando no Senhor e entregando tudo a Ele e à guia do Espírito Santo, certamente tudo irá bem.

Que nosso possamos dar, receber e ser feliz. Não podemos negar algo que nos dão, pois é pura graça de Deus. Alguém aí quer mesmo rejeitar a graça de Deus? Não importa se é um dom material ou um dom espiritual, receba-o com agrado e o use, desgaste! É como a bíblia: quanto mais velha, desgastada e riscada; mais graças teremos em nossas vidas. No reino de Deus essa é a lei: quanto mais gasta, maior fica. Não é como a lei do mundo, que quanto mais gasta, se perde. Os avarentos pensam assim, como o mundo pensa, por isso não gastam, não são homens e mulheres de caridade e não vivem a vida como deve ser vivida.

A vida material como a conhecemos tem um fim, é uma lei natural. Se nós não aproveitamos, não vivemos bem, outra vida não teremos, a não ser a vida eterna diante de Deus. Mas até isso, só o teremos se tivermos vivido bem nossas vidas, conosco, com Deus e com os outros. Pessoas nascem, morrem e a pergunta que fica é: o que estamos fazendo com a nossa vida, dom precioso de Deus?
0