(In)Determinações

Ola a todos!
Esta semana tive um vislumbre, tal que ao vivê-lo, tornou-se ela um mar te acontecimentos. Acho que aconteceu mais esta semana na minha vida do que no último mês, e posso arriscar, nos últimos meses.
Você pode estar curioso a se perguntar: que vislumbre foi esse, meu amigo?
Eu vos digo, mas abra sua mente e coração para ler, porque só depois me explicarei.
Lá vai: As coisas que aconteceram e acontecerão no dia de hoje foram as melhores possíveis. Foi perfeito como Deus é perfeito, ainda que possa ter sido ou não satisfatório.
Vejam o tamanho disso, caros leitores? Vejam o universo que se esconde neste pensamento me inspirado pelo Espírito Santo!
No dia posterior de quando tive este pensamento, minha mãe colocou pra tocar no celular dela uma velha história que eu já conhecia, mas que foi uma confirmação para o que eu sentira e passei a viver. A história é a seguinte:
Era uma vez um rei que não acreditava na bondade de Deus. Tinha, porém, um súdito que não o deixava esquecer. Em todas as situações dizia:
- Meu rei, não desanime! Tudo que Deus faz é perfeito. Ele nunca erra!
Um dia, o rei saiu para caçar e uma fera da floresta atacou. O súdito conseguiu matar o animal, porém não evitou que sua majestade perdesse um dedo da mão direita. O rei, furioso e sem mostrar agradecimento por ter sido salvo disse ao servo:
- Se Deus fosse bom, eu não teria perdido o meu dedo.
O servo respondeu:
- Meu rei... Só posso dizer que Deus é bom, e que perder um dedo será para seu bem! Tudo o que Deus faz é perfeito. Ele nunca erra!
O rei, indignado, mandou o súdito para a cadeia.
O tempo passou e o rei saiu pra caçar. Nesse dia ele foi atacado por uma tribo de índios muito temidos, que faziam sacrifícios humanos para seus deuses. Quando já estava tudo pronto pra sacrificar o rei, o sacerdote indígena, ao examinar a vitima, observou furioso:
- Este é defeituoso... Não tem um dedo... Não será aceito em sacrifício!
E o rei foi libertado. Ao voltar pro palácio, aliviado, libertou o súdito e pediu que viesse a sua presença. Ao ver o servo, abraçou-o e disse:
- Deus foi realmente bom comigo! Escapei da morte porque não tinha um dos dedos. Mas tenho em meu coração uma grande dúvida: se Deus é tão bom, por que permitiu que você fosse preso? Você, que tanto o defende?!
O servo sorriu e disse:
- Meu rei, se eu estivesse junto nessa caçada, certamente seria sacrificado em teu lugar, pois não me falta dedo algum!
Portanto, lembre-se: sempre há um porquê para as coisas serem como são! Deus é perfeito. Ele nunca erra!
Eu sei que é muito fácil falar, mas a verdade é que no dia a dia, sem perceber, murmuramos por tudo o que nos acontece. Murmuramos porque estamos no automático, porque não usamos a cabeça e pensamos o que de bom pode vir do que passamos. Não é fácil olhar o lado positivo da vida quando se tem tantas mazelas e dificuldades, mas nós precisamos tentar.
A grande questão é que somos o que somos, e em determinada situação, estamos de tal maneira (sentimentos, pensamentos, estado de espírito) que tomamos uma decisão específica. E muitas vezes esse tipo de coisa sequestra nossa liberdade.
Analise nesse momento sua história de vida, olhando todas as coisas que não funcionaram, que não deram certo. Depois veja seu hoje, seu tempo presente. Veja se essas coisas não lhe serviram como aprendizado e amadurecimento para viver algo melhor.
*Tempo para pensar... rsrs*
E então? Se quiser pode até comentar sua história para que outros vejam.
Diante das coisas que estou vivendo esta semana por conta de ter aceitado isso, aceitado que Deus é tudo e está no controle; só posso repetir a frase que vi no filme "Deus não está morto": Deus é bom, o tempo todo e o tempo todo, Deus é bom.

A paz de Cristo, jovens!
Fé em atitude!
0