A conversa de um filho com seus dois pais

A conversa de um filho com seus dois pais, um biológico e outro de criação...

Essas conversas foram retiradas do primeiro episódio da décima temporada do seriado de Smallville. Elas me falaram muito ontem, como se Deus tivesse usado elas pra me comunicar algo... E de fato comunicou. Muita gente não vai entender bulhufas, mesmo assim quis compartilhar, porque a grande questão é a essência que trás essas conversas, do que devemos fazer dentro de nós quando o mal, seja ele qual for, manifestado seja lá em qual forma, vem nos atingir. É algo muito profundo, e que precisa ser lido com cuidado. Vamos lá!

A primeira, Clark fala com a voz de seu pai Kryptoniano na fortaleza da solidão:
Clark: Derrotei o Lex... Eu não permiti que ele vencesse... E eu me esforcei mais do que jamais pensei que pudesse... Por um segundo achei que estava voando. Eu salvei todo mundo, não sei como, mas salvei todos. Finalmente me tornei o herói que você me mandou aqui pra ser.
Jor-el: Orgulho... Vaidade... Quase tirou a vida de um homem, e ousa me dizer que está seguindo o caminho que EU mandei seguir?
Clark: Disse que eu tinha algo pra terminar, um mal que eu deveria enfrentar, e o Lex, ele...
*Tremor de terra*
Jor-el: O mal é você, Kal-el... A maior ameaça que a terra irá enfrentar esta chegando, e ataca almas fracas como a sua. Uma vez que a escuridão te consumir, você será o maior inimigo da terra.
Clark: Esse não é meu destino.
Jor-el: Você não pode ser a luz da esperança, enquanto tiver escuridão no coração.
Clark: E porque me mandou de volta? Porque você me deu uma segunda chance?
Jor-el: Eu não dei, não foi minha decisão devolver a sua vida.
Clark: Você pode até não me ver como heroi, mas o resto do mundo me vê! E eu decido meu destino!
Jor-el: Me arrependo como pai, minha fé em você me cegou da verdade. Você nunca será o salvador da terra.
*A fortaleza escurece*


A segunda, Jonathan Kent estava concertando a cerca em seu rancho:
Clark: Pai?
Jonathan: Tarefas, Clark. O trabalho deixa o homem honesto. Temos que proteger as coisas que construímos.
Clark: Você é real... Senti sua falta.
Jonathan: Nunca deixei de cuidar de você, Clark.
Clark: Então deve estar desapontado, não é? Não me tornei o homem que você me criou pra ser.
Jonathan: Não, não se tornou. Você se tornou muito melhor, e estou tão orgulhoso de você, Clark.
Clark: Pelo menos um pai...
Jonathan: Desde quando da ouvidos a Jor-el, hum?
Clark: Ele está certo.
Jonathan: Dá uma ajuda aqui.
Clark: Descontei minha raiva nas pessoas... Eu destruí um prédio inteiro... Eu também descobri que sou capaz de matar... Eu falhei.
Jonathan: Todos nos deparamos com testes, filho. Mas o que diferencia um homem de verdade, é como ele reage ao enfrentar esses testes.
Clark: Você nunca teve esse tipo de problema.
Jonathan: Que é isso, filho? Eu estou longe de ser perfeito. Nunca consegui controlar minha própria raiva. Deixei ela se acumular dentro de mim até ela fazer meu coração parar. Foi minha raiva, Clark, que me fez querer matar outro homem. Mas ao invés disso, ela me matou.
Clark: Lionel... Pai, você estava tentando me proteger.
Jonathan: Não podemos arrumar desculpas para as manchas negras em nosso coração.
Clark: Eu não sei nem como consegui chegar até aqui...
Jonathan: Todos fazemos sacrifícios, filho, toda vez perdemos alguma coisa no processo... Você sacrificou mais do que qualquer um. Seria fácil deixar o ressentimento se acumular, mas mais cedo ou mais tarde ele vai sair.
Clark: Parece que toda vez que eu faço uma coisa certa, acabo fazendo outra errada... Seria bem mais fácil se você estivesse aqui...
Jonathan: Não tem um dia em que eu não me arrependa de poder estar aqui por você. Eu faria tudo, daria tudo pra ter uma segunda chance de acertar as coisas. Você teve essa segunda chance, filho. Você pode ser o maior herói do mundo.
Clark: Não segundo Jor-el.
Jonathan: Então faça o que faz melhor, prove que ele esta errado... Jor-el estava certo sobre uma coisa: algo está chegando, você será testado. Não será fácil, filho, mas eu tenho fé em você.
Clark: Pai, o que está chegando?...
*Jonathan sumiu*

Percebemos coisas como a honestidade que nasce de uma pessoa que trabalha, que sua a camisa. Vemos como o ódio, a tristeza, a desilusão e até a desesperança podem nos consumir, fazendo com que deixemos de ser quem somos, e percamos a cabeça, levando-nos a sermos capazes até de tirar a vida de alguém.

Precisamos abrir os olhos, precisamos lutar contra o mal que há em nós. Precisamos, antes de tudo, cultivar o que é bom em nós. Porque quanto mais perto da luz, que é Jesus, estivermos, mais próximos da verdade e do caminho que devemos seguir estaremos; caminho este que nos trará uma vida inigualável.

Bom dia, tarde ou noite, galera!
Fé em atitude!
0