Meu barco


Eu achava que tinha entendido tudo,
achava-me esperto, cheio de razão...

agora, no meio da tempestade eu navego,
buscando um rumo certo, na escuridão incerta.

Meu barco sobe e desce grandes ondas,
a chuva encharca o convés para desesperar.

Encontro meu refúgio Naquele que no meu barco está,
hora dormindo, hora puxando a corda quando não posso.

Ele que mesmo no meu pecado,
confirma com seu sangue que ainda me quer.

O que posso fazer diante das trevas que não me deixam ver?
Continuar a velejar rumo ao desconhecido, até onde eu precisar.


0