O poder é uma armadilha


Certo dia, as árvores se puseram a caminho para ungir um rei que reinasse sobre elas. Disseram à oliveira: 'Reine sobre nós'. A oliveira respondeu: 'Vocês acham que vou deixar o meu azeite, que honra deuses e homens, para ficar balançando sobre as árvores?' Então as árvores disseram à figueira: 'Venha você, e reine sobre nós'. A figueira respondeu: 'Vocês acham que vou deixar o meu doce fruto saboroso, para ficar balançando sobre as árvores?' Então as árvores disseram à videira: 'Venha você, e reine sobre nós'. A videira respondeu: 'Vocês acham que vou deixar meu vinho novo, que alegra deuses e homens, para ficar balançando sobre as árvores?' Então todas as árvores disseram ao espinheiro: 'Venha você, e reine sobre nós'. Então o espinheiro respondeu às árvores: 'Se vocês querem mesmo me ungir para reinar sobre vocês, venham e se abriguem debaixo da minha sombra. Senão, sairá fogo do espinheiro e devorará os cedros do Líbano'.

Reflexão: Somente aquele que nada produz é que se presta para exercer o poder, e a segurança que ele oferece não passa de armadilha contra a liberdade do povo.

Post-Scriptum: Caso alguém queira saber a fonte do belo texto, perguntem-me nos comentários e eu responderei por e-mail.
0